sexta-feira, 3 de junho de 2016

DALMO ou MISTÉRIOS DA NOITE

de Luiz Ramos Figueira


Elogiado por Machado de Assis, quando de seu lançamento em 1863, este belo romance de Luiz Ramos Figueira caiu injustamente no esquecimento.
Das obras que vieram na esteira de Noite na Taverna, esta foi a mais bem acabada como obra de ficção e também a mais original. 
Apesar do tom pessimista, amargo, e do clima fúnebre, deixa aberto ao final a possibilidade de redenção humana.
Dalmo, o personagem-título, representa uma luta nas trevas; nas suas caminhadas solitárias pela cidade, durante a madrugada, ele tem acesso aos mistérios sombrios e aos “crimes que o confessionário oculta.” Ele é o justiceiro, o mediador entre o bem e o mal, a virtude e o vício.
É um romance que, sem dúvida, não merecia ficar mais de um século esquecido, como o leitor poderá constatar.


Leia mais...

Brochura, 150 páginas, formato 13,5 X 20 cm.
Pedidos
jornalivros@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário